Crítica de cinema – Les Misérables

Quando descobri que teria um filme de Les Misérables eu fiquei empolgada, e depois com medo. Eu sempre tenho medo quando resolvem fazer filmes das coisas que eu gosto, e Les Mis é um dos musicais da Broadway que eu mais adoro. Todas as músicas são incríveis, a história tem tudo que precisa pra ser épica e se passa na França revolucionária.

Image
Aliás, foi por causa do musical que um dia eu resolvi me aventurar a ler o romance de Victor Hugo que deu origem à peça. Não preciso dizer que, mesmo sendo estudante de literatura francesa na época, não consegui passar do volume 2 (são 5 volumes no total).
Depois de ver os trailers do filme, fiquei animada. Hugh Jackman é um ótimo Wolverine ator de musicais, brilhou em The Boy from Oz e eu sempre confiei nele como Jean Valjean. Meus maiores receios eram: Anne Hathaway como Fantine e as possíveis modificações de roteiro/músicas que iam ter que surgir para que o filme fosse viável.
O musical tem quase 3 horas de duração e é inteiro cantado, então eu imaginava que a adaptação para o cinema iria ser como sempre ocorre, músicas transformadas em diálogos, algumas músicas cortadas, uns personagens arrancados daqui ou dali.
Qual foi minha surpresa ao assistir o filme e ver que NADA tinha sido cortado. Os diálogos são todos cantados, exatamente como no musical. As músicas estão todas lá e, por isso, o filme tem 158 minutos. É bem cansativo para quem não é musical freak, vi muita gente reclamar disso. Mas, convenhamos, se você não curte musical, você não vai assistir um filme de musical, certo? Fui assistir com meu noivo, que não é nada fã de musicais, e ele adorou principalmente por causa da trama e da atuação de Hugh Jackman, falo mais dela pra frente.
O outro ponto que eu temia, que era Anne Hathaway, enfim, me deu um tapa na cara e me deixou no chinelo. A moça está deslumbrante, a cena de “I Dreamed a Dream” (que todo mundo conhece, thanks, Susan Boyle) é de cortar o coração. Close no rosto e ela cantando, e só. De uma sensibilidade única. Conseguiu me comover tanto quanto a minha Fantine preferida, a linda e eterna Ruthie Henshall:

E Hugh Jackman? Gente, vendo esse filme dá até dó de pensar no que esse cara fez até hoje! Ele é um ator maravilhoso, consegue dar vida a todas as face de Jean Valjean. A atuação dele envolve, consegue te convencer a torcer pro herói romântico (quem me conhece sabe, eu odeio Romantismo), mas ele traz todas essas facetas do pária de uma maneira tão verdadeira, que é impossível não se sentir tocado.

Outra revelação pra mim foi Samantha Barks, que fez a Eponine. Que voz maravilhosa e uma interpretação delicadissima! Chorei litros com ela cantando On my Own

E fiquei sabendo pelo IMDB que ela ganhou o papel no lugar da Taylor Swift. Agradecemos a todos os envolvidos nisso!

Algumas coisas que eu ouvi sobre o filme: primeiro, que ele é melhor que o musical. Eu acho complicado falar isso porque são meios diferentes. O público geralmente está muito mais acostumado com um filme do que uma peça de teatro, por isso certas coisas que tem no musical (orquestra no palco, por ex, ou recursos cênicos limitados) parecem negativos perto do filme, que consegue contornar essas coisas. Eu acho que o filme fez juz à grandeza do musical. Não consigo escolher entre um e outro, mas Les Mis, o filme, já está na minha lista de filmes-musicais preferidos.
Outra coisa que ouvi foi que filme/musical não condizem com o livro. Minha opinião, de bacharel em Literatura Francesa, é a seguinte….GRAÇAS AO BOM DEUS! Sinceramente, gente, eu acho Victor Hugo UM PORRE. Romantismo é chato demais, cheio dos detalhes do pé da mesa da casa da ciclana que aparece só por duas páginas. O musical é uma adaptação do livro, são CINCO volumes, imagina só o que seria colocar tudo aquilo no palco? A essência está lá, o enredo também, o musical é mega romântico, com todo o idealismo da união das classes sociais, do self-made man romântico (o homem que se faz por si próprio) e da crença no mundo transcedental como superior a esse.

Concluindo: acho que o filme é uma ótima adaptação do musical, que é uma boa adaptação do livro. Assistam o filme, o musical e leiam Victor Hugo se tiverem coragem!

Alguns links que possam vir a interessar:
LES MISERABLES 10º ANIVERSÁRIO NO ROYAL ALBERT HALL
http://www.youtube.com/watch?v=f1s9ubYbFvc

OS MISERÁVEIS (VICTOR HUGO) – VOLUME ÚNICO
http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2665424/os-miseraveis-volume-unico

Um comentário sobre “Crítica de cinema – Les Misérables

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s